Voltar
Carlos Lucchesi



Dois rios corriam lado a lado,
Divididos por uma pequena faixa de pedras,
Sem nunca terem se tocado.

Aconteceu que o céu em nuvens negras se fechou,
E das águas que caíram,
Um dos rios transbordou.

Um tocou o outro,
E brilharam num sorriso de alegria,
Como se houvesse naquele encontro,
Algum tipo de magia.

Mas a chuva forte logo passou,
E voltaram novamente a ser dois rios,
Como no momento anterior.

Contudo, algo ali havia mudado,
Pois as águas que eram duas
Haviam definitivamente se misturado.

Mesmo estando cada um em seu lugar,
Trouxeram com eles,
Parte do outro rio,
Que corria do lado de lá.

Muito tempo se passou,
E, apesar da longa espera,
No céu não se formaram mais pesadas nuvens,
Pra chover naquelas terras.

Bateram forte pra romper a parede que os separava,
Mas a rocha era dura,
Resistia e não deixava.

Ficaram muito tempo separados,
Mesmo bem próximos um do outro,
Correndo lado a lado.

Assim como o encontro entre as águas de dois rios,
Também é todo amor, ou amizade:
Do outro tiramos sempre;
De nós deixamos parte.

De toda esta história,
Uma lição guardarei sempre comigo:
É melhor que haja areia do que rocha,
Entre os rios, ou dois amigos...














                                                             Dois Rios: Uma amizade